Bem vindo ao nosso site, se ainda não é cadastrado clique aqui

Sensitive
×
 x 

Carrinho vazio
Shopping cart
Carrinho vazio

Av. dos Inconfidentes, 930, Santa Efigênia
Itabirito-MG - Cep: 35.455.048
 Tel.: +55 (31) 3561-0335
+55 (31) 3561-5500

Saiba onde usar cada tipo de madeira

Avalie este item
(0 votos)

Abaixo, fique por dentro das melhores espécies para estruturas, telhados, madeira de reflorestamento e das nativas e certificadas.

Para a estrutura da casa

Para a estrutura da casa, o melhor são as opções de alta densidade. "Em geral, quanto mais pesada, maior a resistência mecânica e a durabilidade", explica Luis Carlos Zanchet, da Zanchet Madeiras, de São Paulo. Estas espécies nativas têm densidade e resistência altas ao ataque de fungos e cupins - menos a tatajuba, de densidade e resistência médias - e documento de origem florestal (DOF).Boas para o telhadoNo telhado, garapeira é bem-vinda. "Mas ela deve ficar protegida da chuva, pois apodrece rápido", alerta Sérgio Rodrigues, da Madercom, de São Paulo. Segundo Luis Carlos, o cambará é indicado, mas pede atenção. "Seu alburno tem muito amido, alimento de cupim. Por isso, proteja bem a madeira", alerta. Ele lembra que a cupiúba e o angelim-vermelho, extremamente resistentes, têm o problema do mau cheiro. "Dizem que o odor diminui, mas na verdade é o olfato que se acostuma", conta. "Só sugiro usá-los com stain, cobertos por forro e longe da umidade, que aumenta o cheiro", adverte Luis Carlos.

Espécies de reflorestamento

Para equilibrar o consumo de árvores nativas, desde os anos 60 o Brasil passou a contar com espécies plantadas. "As madeiras de reflorestamento, como pínus e eucalipto, podem ser cortadas com idade entre 10 e 15 anos, enquanto qualquer nativa precisa de mais de 30 anos", avalia Carlos Alberto Funcia, presidente da Sociedade Brasileira de Silvicultura (SBS), de São Paulo. Segundo ele, temos 6,1 milhões de hectares de florestas plantadas e devemos dobrar esse número em até oito anos. Mas alguns cuidados precisam ser lembrados, já que essas árvores não dispõem de alta resistência natural e pedem tratamento químico em autoclave.

Nativas certificadas

Há quem defenda que a única forma de ter certeza sobre a procedência legal é comprar madeiras com selos de certificação - só o DOF não bastaria. Eles atestam que a extração de nativas e reflorestadas seguiu planos de manejo sustentável, em que se retiram controladamente as árvores, com baixo impacto ambiental e preocupação social. "Mesmo que certa carga de madeira tenha entrado legalmente em São Paulo, não significa que ela tenha sido produzida de forma legal", observa Maurício Voivodic, coordenador de certificação de florestas naturais do Imaflora. As espécies ao lado têm densidade e resistência altas ao ataque de fungos e cupins - menos a muiracatiara, com durabilidade menor em relação a cupins.

Que espécies são indicadas para guarnições e lambris?

Em guarnições, o ideal é adotar espécies de fibras retas e secas em estufa, que não se movimentam nem empenam. Entre elas, freijó, cedro-rosa, jequitibá-rosa e angelim-pedra. Para lambris, prefira os tipos macios e fáceis de trabalhar. Caso do cedrinho, angelim-pedra, freijó e caixeta.

Em que tipo de projetos a estrutura de madeira é recomendada? E qual a vantagem dessa opção?

Sejam nativas ou de reflorestamento, evitar o desperdício significa poupar árvores. Por isso, o projeto e o dimensionamento exato da estrutura de madeira são imprescindíveis. Para o arquiteto Marcos Acayaba a vantagem de construir com esse material é a limpeza na obra e a leveza das peças, que resulta em fundações mais simples. Em alguns casos, porém, é melhor evitá-lo, como em construções enterradas e subsolos, "por causa da sensibilidade à umidade", explica o engenheiro paulista Mauricio de Almeida, da Orbital Estruturas de Madeira. "A não ser que você opte pelo eucalipto com maior concentração de tratamento químico", diz Marcelo Sacco, da Preservam, empresa paulista especializada nesse trabalho. Para projetos em que é preciso vencer grandes vãos, acima de 6 m, o engenheiro Hélio Olga sugere um sistema com madeiras laminadas coladas - elas são fixadas umas nas outras industrialmente, formando peças maiores. "Mas isso ainda custa caro", avalia Marcelo.

Quais são os principais vilões da madeira e como evitá-los?

No uso externo, há dois tipos de deterioração que podem prejudicar todas as madeiras: a biológica, provocada por fungos, e a causada por intempéries. Para evitar esses problemas, deve-se optar pelas espécies de alta durabilidade ou tratadas quimicamente. Além disso, vale apostar na proteção de impermeabilizantes. A qualidade e o desempenho da madeira também podem ser prejudicados pelos defeitos naturais (nós) e de processamento (empenamento e trincas de secagem). "É preciso que o carpinteiro reclame na hora da entrega das peças e solicite a substituição", orienta Geraldo Zenid. Outro vilão são os cupins, que costumam se aproveitar de situações em que a madeira está exposta à umidade e preferem as espécies macias (pínus e araucária), cujo cerne tem menor resistência. "Mas engana-se quem acha que o cupim não gosta das mais duras e amargas", alerta o biólogo Sidney Milano, da PPV Soluções Sustentáveis, de São Paulo. "Convém proteger todas as superfícies com inseticida próprio", orienta ele.

Que produtos são recomendados para deixar a madeira sempre bonita?

Segundo Flavio Carlos Geraldo, da Associação Brasileira de Preservadores de Madeira (ABPM), de São Paulo, todas as madeiras expostas devem ser protegidas. "Os vernizes formam camadas sobre as peças, já o stain penetra sem formar película", explica ele.

A oferta de madeira certificada no Brasil é suficiente para a demanda?

Hoje, o Brasil dispõe de 5 445 milhões de hectares de áreas certificadas e conta com dois modelos de selos verdes: o FSC (Conselho de Manejo Florestal, em português), de origem americana, e o Cerflor (Programa de Certificação Florestal), do Inmetro. Um problema é a oferta limitada para o consumidor final. Em geral, as principais empresas produtoras (Mil Madeiras, Orsa Florestal e Cikel Brasil Verde) acabam investindo mais na exportação. "Não há volume no mercado interno e existem poucas empresas para atender a demandas maiores", confirma Helio Olga. Outra questão está no preço normalmente mais alto do que os das madeiras comuns. No entanto, uma pesquisa recente do Datafolha, publicada em maio deste ano e encomendada pela organização Amigos da Terra, revelou que 85% dos entrevistados pagariam mais caro por produtos certificados. "Essa resposta mostra um cenário muito promissor no Brasil", conta Karina Aharonian, coordenadora do Grupo Compradores de Produtos Florestais Certificados, que dispõe de nomes de fornecedores de madeira com os selos.

Como é possível saber se uma espécie de madeira nativa é licenciada?

O Greenpeace Brasil estima que 80% da madeira produzida anualmente na Amazônia seja ilegal. "Ao comprar produtos de origem legal, você obriga a exploração responsável", afirma Carlos Fabiano Cardoso, coordenador de monitoramento e controle florestal do Ibama, em Brasília. Para saber se uma madeira nativa é licenciada de acordo com esse órgão, deve-se conferir o Documento de Origem Florestal (DOF), que atesta a legalidade da cadeia produtiva. "Diferentemente da antiga ATPF , ele é eletrônico e marca as medidas das peças", explica o engenheiro Helio Olga, da Ita Construtora, de São Paulo.

 

Fonte: http://casa.abril.com.br/

 


Onde estamos: 
Avenida dos Inconfidentes, 930
Santa Efigênia, Itabirito-MG.
CEP: 35455-048
Telefone:
+55 (31) 3561-0335
+55 (31) 3561-5500

Cadastre-se em nossa Newsletter

Aqui você encontra tudo para sua casa ou construção!


Quem Somos:

Nossa filosofia de trabalho baseia-se na satisfação de todos que compõe a nossa empresa, clientes, parceiros e funcionários. Acreditamos que uma equipe sinérgica e motivada em base a políticas de gestão empresarial seria e consciente reverte aos nossos clientes confiabilidade, produtos de qualidade, excelência no atendimento e preços competitivos. Saiba mais


Digite o seu número e clique no botão me ligue. Em breve o seu telefone irá tocar.

DDD (*)

Invalid Input
Digite seu número (*)

Por favor, informe seu nome completo.
Ligar (*)

Invalid Input


Invalid Input